Considerando que o câmbio climático representa uma real ameaça para a existência da humanidade, dos seres vivos e da nossa Mãe Terra como hoje a conhecemos;Constatando o grave perigo que existe para as ilhas, regiões costeiras, glaciais dos “Himalayas”, os Andes e as montanhas do mundo, os pólos da Terra, regiões muito quentes como a África, fontes de água, populações afetadas por desastres naturais crescentes, plantas e animais, e ecossistemas em geral;

Evidenciando que os mais afetados pelo câmbio climático serão os mais pobres do planeta assistindo seus lares destruídos, suas fontes de sobrevivência e ainda obrigados a migrar e procurar refúgio;

Confirmando que o 75% das emissões históricas de gases de efeito “invernadero” se originaram nos paises irracionalmente industrializados do norte;

Constatando que o câmbio climático é produto do sistema capitalista;
Lamentando o fracasso da Conferência de “Copenhagen” por responsabilidade dos paises chamados “desenvolvidos” que não querem reconhecer a dívida climática que tem com os paises en vias de desenvolvimento, as futuras gerações e a Mãe Terra;

Afirmando que para garantir plenamente o cumprimento dos direitos humanos no século XXI é necessário reconhecer e respeitar os direitos da Mãe Terra;

Reafirmando a necessidade de lutar pela justiça climática;
Reconhecendo a necessidade de assumir ações urgentes para evitar maiores danos e sofrimentos à humanidade, da Mãe Terra e restabelecer a harmonia com a natureza;

Seguros de que os povos do mundo, guiados pelos princípios de  solidariedade, justiça e respeito pela vida, serão capazes de salvar à humanidade e à Mãe Terra; e ainda,

Na celebridade do dia Internacional da Mãe Terra,

O governo do Estado Plurinacional da Bolívia convoca aos povos e movimentos sociais e defensores da mãe terra do mundo, e convida aos cientistas, acadêmicos, juristas e governos que queiram trabalhar com seus povos à Conferência Mundial dos Povos sobre o Câmbio Climático e os Direitos da Mãe Terra a realizar-se do dia 20 a 22 de abril de 2010 na cidade de Cochabamba, Bolívia.

A Conferência Mundial dos Povos sobre o Câmbio Climático e os Direitos da Mãe Terra têm por objetivos:

1)    Analisar as causas estruturais e sistêmicas que provocam o câmbio climático e propor medidas de fundo que possibilitem o bem-estar de toda a humanidade em harmonia com a natureza.
2)    Discutir e acordar o projeto da Declaração Universal de Direitos da Mãe Terra.
3)    Acordar as propostas de novos compromissos para o Protocolo de Kioto, e para os projetos de Decisões da Convenção Marco das Nações Unidas sobre Câmbio Climático que guiarão as ações dos governos comprometidos com a vida nas negociações de câmbio climático em todos os cenários de Nações Unidas, respeito a:
a) dívida climática,
b) migrantes refugiados do câmbio climático,
c) redução de emissões,
d) adaptação,
e) transferência de tecnologia,
f) financiamento,
g) bosques e câmbio climático,
h) visão compartida,
i) povos indígenas,
j) outros
4)    Trabalhar na organização do Referendum Mundial dos Povos sobre o câmbio climático.
5)    Analisar e traçar um plano de ação para avançar na constituição de um Tribunal de Justiça Climática;
6)    Definir as estratégias de ação e mobilização en defesa da vida frente ao Câmbio Climático e pelos Direitos da Mãe Terra.

Bolívia, 5 de janeiro, 2010

Evo Morales Ayma
Presidente do
Estado Plurinacional da Bolívia